Follow by Email

Saturday, June 20, 2009

Sobre o Amor ou a Sua Falta por

Daniele Alvim -

Não tenho aqui a pretensão de inovar nesse tema, pois grandes filósofos, poetas, músicos, escritores, mestres espirituais já o fizeram, ou explicaram, com seu exemplo o que é o Amor; mesmo porque esse sentimento não se resume em uma só palavra ou conceito, mas em muitas palavras e conceitos que de fato podem chegar a definir isso, que é o que de mais nobre podemos sentir. E também porque cada ser experiencia o amor de forma diferente, de acordo com o seu nível de consciência e nível de abertura para ser um canal através do qual esse Amor pode se expressar.Alguns dizem que os animais não amam, que são seres ainda inferiores e que por isso não podem chegar a amar. Tirando a capacidade de pensar e perceber-se com um ser separado do todo, que é no que o animal se diferencia dos seres humanos, aqueles possuem todos os sentimentos que temos, incluindo o amor. Não digo os mais selvagens, mas os domésticos que são os que já estão na fila para darem um salto evolutivo e tornarem-se seres humanos; o cachorro, gato, golfinho, elefante, cavalo, dentre outros, já amam como nós.Estou fazendo questão de tocar nesse assunto, pois se quisermos entender o que é o amor puro, sem a interferência da mente, mas a expressão do amor puramente desinteressada, devemos observar esses seres. Porque é justamente a mente que atrapalha, o racional, que por sua vez nos leva a julgar o tempo todo e a escolher a quem devemos amar, como amar e quando amar; mas será que isso é mesmo amor? Será que existe o amor egoísta, o amor orgulhoso, o amor seletivo? Será que essa combinação de amor é algo que nos soa natural? Não nos parece estranho? Bom, desnecessário dizer que se não for desinteressado, o amor não é amor. Porque é o sentimento que faz com que desejemos o melhor para o outro sem esperar nada em troca, assim como almejamos o nosso próprio bem. É um sentimento que nos faz estar na pele do outro, sentir pelo outro, pensar pelo outro, ser o outro, chorar pelo outro, ou se regozijar por ele. É algo que nos faz sentir grandes, porém destituídos de orgulho; é algo que toca a Presença Divina dentro de nós, por isso o amor é tão indefinível, indiscritível, pois como definir o próprio Deus? Deus é Amor e disso não temos dúvida. Nosso vocabulário se torna inexpressivo diante de tanta nobreza.Amando o outro de coração aberto estamos de fato amando a nós mesmos, pois não há qualquer separação entre o outro e nós. O que fazemos para os outros fica marcado em nós, tanto de positivo quanto de negativo. E o que nos faz sermos completamente Unos com o outro é a nossa Fagulha Divina, essa identidade que está presente não só em nós como em cada ser e criatura vivente neste planeta. O que fazemos para cada ser e para o nosso planeta estamos fazendo para nós mesmos.Nosso universo é Amor. Essa é a energia, a substância que faz nosso universo coeso; sem amor nosso universo sucumbiria. E isso é ainda um grande mistério. Pela falta desse nobre sentimento é que muitas civilizações (e planetas) sucumbiram, como a Atlântida, por exemplo. Atlântida desapareceu devido ao mal uso do poder, a despeito de toda tecnologia que desenvolveram, inclusive, bem mais avançada do que a da nossa civilização atual. Tornaram-se magos negros, manipulando a energia para satisfazer seu próprio ego. Esse é o outro lado para o qual devemos estar sempre vigilantes para não cairmos nas armadilhas da falta de amor que, em última instância, nos sucumbe.Se amor é sacrifício, então o sacrifício é o do próprio ego; se você quer experimentar o amor em toda sua plenitude terá que sublimar o ego, pois como esse é um ente separatista por natureza e o amor agregador, por natureza, ambos se excluem. Mas todos temos nossos limites e cada um deverá sentir até onde pode ir; tudo a seu tempo, pois ninguém pode pretender amar como Jesus ou Buda se o coração ainda está no processo de despertar. Um passo de cada vez, mas mantendo a intenção. É inevitável que o amor nos faça sofrer, não o tempo todo, claro, mas de certa forma, porque quando amamos galgamos um certo nível de consciência que nos faz perceber boquiabertos a falta de amor que ainda possui a grande maioria dos seres humanos. Sobre o ódio e tudo o que esse sentimento acarreta, o que podemos falar é que ele é simplesmente a falta de amor. Isso basta para compreendermos o que é estar na energia do amor ou não estar.Que tal nesta semana começarmos a colocar o amor em tudo o que fazemos e a percebermos o retorno dessa energia? Podemos comeaçar pelas pequenas coisas e ir aos poucos ampliando esse amor. Percebam o que irá ocorrer, percebam como a intenção amorosa pode transformar tudo o que está à volta. O Retorno do Cristo, creio eu, será a disposição de cada um de pensar, sentir e agir com amor; somente uma pequena intenção poderá mover montanhas até que a paz seja restaurada em nosso planeta; até que Deus possa entrar definitivamente em nossas vidas e passe a atuar como um constante milagre.
Amor e Paz,
Abrindo portas para o infinito:: Rubia A. Dantés ::

Muito tem se falado sobre um novo tempo... muito novo mesmo... Quando um ciclo se completa naturalmente, vem o inicio de outro... Mas, pelo que dizem os calendários antigos - segundo os Maias em 2012 um grande ciclo se completará e outro terá início- e, especialmente, pelo que nos mostram, as coisas que andam acontecendo no nosso planeta, podemos perceber que estamos mesmo no final de um grande ciclo.Então... quando é assim, parece que tudo pode começar de novo a partir do zero e podemos desfrutar das bênçãos de um novo início...Recentemente, tive um sonho muito especial e com muitas coisas simbólicas... No início, meu pai pega um retrato meu onde estou com uma linda Águia dourada pousada no meu braço e o olho da águia, que está de perfil, está sobreposto ao meu olho... Não sei se o direito ou esquerdo porque cada hora me parece que ela está de um lado... E meu pai fala no sonho que aquela imagem significava a libertação da minha mãe.Depois de muitas outras coisas que se passaram no sonho vejo um tipo de objeto em espiral feito de contas de cristal verde-limão que no sonho era uma forma de linguagem diferente... aquelas contas eram letras codificadas mas que a gente não conseguia perceber olhando para elas. Pareciam todas iguais...Me vejo chegando nas montanhas para dar mais uma vivência e me dou conta que havia esquecido de levar tudo...Quando conto da águia para a Mulher da Montanha ela me fala que está tudo certo e que não precisava de mais nada daquilo tudo. Fiquei um pouco insegura, pensei em voltar para buscar as coisas, mas acabo aceitando quando as pessoas começam a chegar.Tento colocar uma música e a princípio não consigo até que finalmente a música começa a tocar e é uma que adoro que se chama "Je chante avec toi Liberté"Entendi essa parte do sonho como um chamado para me desapegar das coisas porque nesse novo tempo elas serão muito novas e diferentes. Liberar o apego às coisas, mas... especialmente o apego a maneiras de fazer...Parece que temos uma mania antiga de querer guardar o que aprendemos para repetir o que foi bom, e isso nos afasta do fluxo... e sinto que nesses tempos esse fluxo que vem da conexão com a Divindade vai estar tão disponível que nem precisamos mais nos preocupar em guardar aprendizados.Mas acho que sempre foi assim... nós é que nos esquecemos tanto disso que acabamos acreditando que somos nós que temos o controle. Doce ilusão, ou será amarga ilusão...A águia para mim sempre fala de liberdade... assim como a música do sonho... quem sabe a liberdade já está tão perto que vamos poder desfrutar da imensa sensação de leveza que é não ter nada a defender. Já imaginaram acordar a cada dia com a certeza que vamos fluir com a Vida sem preocupações e sem apego ao que já passou porque sabemos que o presente é o que temos de mais precioso...Podemos ter tudo e desfrutar de tudo e isso ser liberdade total quando não temos apego ao que temos nem ao que somos.Tem até aquela história do sábio que estava ensinando ao rei o desapego... Quando estavam debaixo de uma árvore eles percebem que o palácio do rei está pegando fogo... O rei fica tranqüilo, porque realmente havia se desapegado... ao passo que o sábio desesperado corre para tentar resgatar a única coisa que ele possuía e que estava no palácio, que era o Bhagavad Gita. Percebo, claramente, como as coisas estão aceleradas e como estão disponíveis muitos pequenos milagres que nos mostram que estamos mesmo mudando e temos todo apoio dos Seres de Luz...Será que estamos entrando mesmo em um novo tempo e uma parte nossa ainda não acredita nisso?No sonho eu ficava na dúvida se voltava ou não para buscar as coisas...Mas o que me tocou foi a certeza que a ferramenta mais preciosa que podemos contar não é a que precisamos carregar no carro ou na memória... mas, a que já está conosco a cada momento em qualquer lugar...que é a possibilidade de conexão com o Grande Mistério... abrindo Portas para o Infinito.

Rubia A. Dantés
Posted by Picasa
Posted by Picasa

Thursday, June 11, 2009

Você...

Minha PoesiaPoesia em movimento
Entrelaçando palavrasE assim crio meus versos
Que falam de amor
E brilham um pouco maisCom uma pitada de amargura
E tempero de saudade
São versos que gritam paixão...
E assim percorro dias
Atravesso noitesSem sossego
Enfeitando papéisCom adereços poéticosCrio movimento,
corUltrapasso o espaçoEscrevendo versosCom a sua beleza
E com o seu encantoE eu nem precisava
Porque me dei contaQue já tenho você...
Minha melhor poesia.
Renato Baptista...
. " A Constante Aventura do Amor Essa é a alegria do amor: a exploração da consciência. Se você se relaciona, e não reduz isso a um relacionamento, então, o outro tornar-se-á um espelho para você. Descobrindo o outro, você estará descobrindo a si mesmo também. Aprofundando-se no outro, conhecendo seus sentimentos, seus pensamentos, seus mais profundos movimentos, você estará conhecendo suas mais profundas agitações também.... Relacionem-se... Prossigam procurando, buscando um ao outro, encontrando novas maneiras de amar um ao outro, encontrando novas maneiras de estar um com o outro. E cada pessoa é um mistério tão infinito, inexaurível, insondável, que jamais será possível que você possa dizer, "eu a conheci", ou, "eu o conheci". No máximo você pode dizer, "eu tentei o melhor que pude, mas o mistério permanece um mistério".Na verdade, quanto mais você conhece, mais o outro se torna misterioso. Desse modo, o amor é uma aventura constante". Osho
Posted by Picasa

Saturday, June 06, 2009